CEPAL lançou uma Campanha mundial para o bom trato de meninas, meninos e adolescentes com deficiência

A campanha foi apresentada regionalmente na passada sexta-feira 11 de janeiro, na sede da Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL) em Santiago, Chile. É desenhada pela Oficina da Enviada Especial do Secretário Geral das Nações Unidas para questões de deficiência e acessibilidade, María Soledad Cisternas.

A atividade foi encabeçada pelo secretário executivo adjunto de Administração e Análise de Programas da CEPAL,  Raúl García-Buchaca; o Ministro de Justiça e Direitos Humanos de Chile, Hernán Larraín; a diretora Nacional do Serviço Nacional de Deficiência, María Ximena Rivas; a chefe da delegação adjunta da União Europeia em Chile, Ruth Bajada; e o encarregado de Negócios de a Embaixada do México em Chile e co presidente do Grupo de Estados Partes Amigos da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD), Armando Arriazola. Em tanto, o Ministério de Desenvolvimento Social de Chile, Alfredo Moreno, enviou uma saudação por vídeo.

Apesar dos progressos, “em América Latina e o Caribe milhões de meninos, meninas e adolescentes com deficiência sofrem uma profunda discriminação e graves violações a seus direitos, incluída a negação do acesso à educação, à saúde, à recreação e à participação. Isto lhes impede alcançar seu potencial máximo”, destacou Raúl García-Buchaca, em representação da secretaria executiva da CEPAL, Alicia Bárcena, durante a abertura do evento no qual participaram ministros da Corte

“Sem ação, não há direitos. São necessárias ações concretas para combater a discriminação contra as meninas, meninos e adolescentes com deficiência e para garantir sua inclusão em todas as esferas da vida”, agregou o alto funcionário, quem destacou que “para a CEPAL foi um privilégio e uma fonte de orgulho poder apoiar à Enviada Especial com a Campanha e seu lançamento, não só aqui em América Latina e o Caribe, senão também em outras regiões, para que estas mensagens cheguem a todos os cantos do mundo”.

A campanha, na que também colabora o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), o Governo de Chile, a representante especial do secretário geral sobre a Violência contra as crianças e O Gabinete do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH), foi apresentada em setembro do ano passado em Ásia-Pacífico e em novembro em África.

Junto com sublinhar a histórica liderança da Organização das Nações Unidas (ONU) na promoção dos direitos das pessoas com deficiência no mundo, o Ministro Hernán Larraín assegurou que “a proteção das pessoas com deficiência está no coração da nova agenda de direitos humanos que está promovendo o Governo de Chile”.

“Nos aderimos com entusiasmo a esta campanha que esperamos contribua novamente a revalorizar o conceito essencial por trás dela: a igualdade entre todas as pessoas, sem diferença nem distinção de nenhuma natureza”, enfatizou.

A Enviada Especial María Soledad Cisternas salientou que mais de 1.000 milhões de pessoas têm uma ou mais formas de deficiência no mundo. “A deficiência não reconhece cores políticos, a deficiência é de todos, de aqueles que temos alguma deficiência e dos que não têm deficiência”, afirmou.

A campanha, com base na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CDPD), que foi ratificada por 177 Estados, inclui 10 princípios para garantir o bom tratamento dos meninos, meninas e adolescentes com deficiência.

Fonte: CEPAL

2019-01-17T15:46:54+00:00 14.01.2019|Noticia|